Câncer de pulmão: uma possível realidade para quem fumou a vida inteira

Diferente de algumas décadas atrás, hoje em dia não é mais segredo nenhum que fumar causa grandes riscos à saúde e que o principal deles é o câncer de pulmão. Ainda assim, muitos fumantes ainda preferem deixar isso de lado e só resolvem tomar alguma atitude tardiamente.

Por esse motivo, campanhas de conscientização e as leis antifumo, que se intensificaram no Brasil nos últimos anos, continuam tão importantes. Para quem fuma ou fumou por 20 anos ou mais, saber sobre o diagnóstico precoce do câncer de pulmão torna-se ainda mais necessário, já que pode ser o fator determinante de sobrevivência dessas pessoas.

Para exemplificar o que queremos dizer, vamos aos números:

Quem fuma tem 20 vezes mais chances de morte por câncer de pulmão do que uma pessoa não fumante. Além disso, o fumo é responsável de 90 a 95% dos casos da doença no mundo.

Já para quem deixa de fumar, o risco de câncer cai consideravelmente. Porém, é somente após 15 ou até mesmo 20 anos, que esse risco volta a ser igual ao de quem nunca fumou.

Diagnóstico precoce – sobrevivência

Talvez você ainda não saiba, mas o câncer de pulmão é uma doença silenciosa e por esse motivo, a taxa de sobrevivência de um paciente é de apenas 11 a 13% mesmo com tratamento. Esses números tornam-se ainda mais preocupantes quando vemos as estimativas brasileiras: só esse ano, mais de 17 mil homens e 10 mil mulheres terão câncer de pulmão, traqueia ou brônquios.

O diagnóstico precoce é a grande arma contra esses índices. Quando descoberto na fase inicial, a chance de cura após o tratamento sobe para 80 ou até mais de 90%. Uma das formas de se fazer a detecção precoce é pela tomografia de baixa dose (TCBD), indicada para pessoas com alto risco, principalmente fumantes por mais de 30 anos, com idade entre 55 e 74 anos.

Com o rastreamento pela TCBD, a redução da mortalidade do câncer de pulmão chega a 20% quando comparamos com o rastreamento pela radiografia. Para se ter um parâmetro, a quimioterapia reduz a mortalidade em cerca de 5% dos casos, apenas.

Para o Dr. Ricardo Sales dos Santos,  “a alocação de recursos na saúde deve contemplar o uso das novas medicações para o tratamento da doença avançada, com resultados melhores; contudo, a sociedade deve também discutir como alavancar as ações de promoção da saúde, onde a prevenção e o diagnóstico precoce assumem papel de destaque”.

Os exames possuem risco?

Os riscos existem, mesmo os intangíveis, como a ansiedade da espera dos resultados. Além disso, a exposição à baixa dose de radiação oferece um risco mínimo, bem como a possível indicação de biópsias ou cirurgias maiores para o diagnóstico.

Ainda sim, os benefícios da TCDB ainda são maiores: além do câncer de pulmão, ela permite detectar outras doenças passíveis de tratamento, como o enfisema, o aneurisma e outros problemas cardiovasculares.

Sintomas do câncer de pulmão

Já falamos que o câncer de pulmão é uma doença silenciosa, porque seus sintomas se assemelham com o de outras doenças menos graves, o que leva a pouca ou quase nenhuma suspeita inicial.

Os principais sintomas são:

-Tosse.

-Dor no peito.

-Rouquidão.

-Perda de apetite.

-Falta de ar.

-Fadiga.

-Tosse com expectoração mucosa.

-Tosse com expectoração com sangue.

-Infecções.

Quando a doença já se disseminou para outros órgãos, ela pode provocar dor óssea, alterações no sistema nervoso, icterícia e nódulos próximos à superfície do corpo.

Portanto, se você fuma há muito tempo, deve desconfiar daquela tosse que não passa e do cansaço um pouco maior que o normal. Procure um médico e não deixe para depois o que pode salvar a sua vida.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

contato@propulmao.com.br

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?